31 de dez de 2010

"Tron" na virada e a alma soul de Tim Maia


Olá, pessoal! 

Hoje é o grande dia da virada, 2011 está aí e eu estou cheia de expectativas maravilhosas para o ano novo! E lá vamos nós, concretizar os planos e curtir cada centímetro da casa nova!

Meu foférrimo e amado marido está louco, delirante e alucinado para irmos assistir, hoje, "Tron - O legado". Ele é um entusiasta dos filmes de ficção científica, é quase uma obsessão. Achei uma boa idéia ir ao cinema assistir a um blockbuster, no dia 31 de dezembro só para não pegar filas! Convenhamos, encarar o shopping lotado, ficar plantada na fila quilométrica da bilheteria e ainda correr o risco de sentar nos piores lugares, é exatamente como Kurtz disse, em Apocalipse Now: "O horror, o horror".  

Queridos, quero desejar boas festas e um fantástico 2011 a todos vocês, que acompanharam meu blog com tanto carinho, neste ano de 2010. Espero que continuem comigo, lendo meus posts, enviando e-mails e participando, como sempre! Adoro dividir este espaço com vocês! Muitos beijos!

Mudando totalmente de assunto... 


Não é por acaso que Tim Maia é considerado o pai da Soul Music no Brasil. Genial!


"Quando Tim Maia surgiu no panorama, em 1970, não havia modelo, parâmetro ou rival para o que fazia. Seus primeiros discos, além da irresistibilidade de suas composições e do poderio de sua voz, traziam saltos de anos luz em termos de balanço e musicalidade, timbres de bateria, grooves de baixo, uso moderno de órgão, sopros, vibrafone, flauta, falsetes, com doçura brasileira e alma soul - com o charme do pleonasmo bilíngue."    

(O trecho foi retirado do texto "Tim Maia e a invenção do soul brasileiro", 
escrito pelo jornalista Ronaldo Evangelista. )


No vídeo, a performance de Tim cantando "Idade", em 1971. 
Isso é sim é ter uma alma soul!